Notícias

< Volta para Notícias

Contribuinte pode consultar 4º lote de restituição do IR

09 de Setembro de 2019 - Economia

A consulta ao quarto lote de restituição do Imposto de Renda 2019 foi aberta nesta segunda-feira. O crédito bancário será feito para 2.819.522 contribuintes, totalizando R$ 3,5 bilhões. Segundo a Receita Federal, o dinheiro será depositado nas contas no dia 16 de setembro.

O lote também contempla restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2018. A consulta para saber se a declaração foi liberada pode ser feita acessando a página da Receita na internet. O contribuinte também pode ligar para o Receitafone 146 e informar o CPF e a data de nascimento. Se estiver incluído no lote, a situação da declaração será “crédito enviado ao banco”.

Caso o valor não seja creditado, o contribuinte deve ligar nos telefones 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) ou ir a uma agência do Banco do Brasil para agendar o crédito em conta-corrente ou poupança, em seu nome, em qualquer banco.

Os lotes de restituição são liberados mensalmente. O Fisco libera os pagamentos por ordem de chegada da declaração. Isso significa que quem entregou a declaração mais cedo, recebe a restituição primeiro.

A restituição ficará disponível no banco durante um ano. Se o contribuinte não fizer o resgate nesse prazo, deverá requerê-la pela internet.


Fonte: Agência Brasil

< Volta para Notícias

Notícias Relacionadas

  • 09/09/2019

    Começa nesta semana pagamento de R$ 500 por conta do FGTS

    Saiba mais
  • 03/09/2019

    Lucro líquido da Caixa no primeiro semestre aumenta 22,2%

    Saiba mais
  • 03/09/2019

    Taxa de desemprego no Brasil cai para 11,8% em julho, diz IBGE

    Saiba mais
  • 29/08/2019

    Recuperação da economia é a mais fraca em 40 anos

    Saiba mais
  • 27/08/2019

    Bancários se opõem à abertura de agências aos sábados: "Exploração dos trabalhadores"

    Saiba mais
  • 27/08/2019

    Dados do Caged mostram que criação de empregos ainda é insuficiente, diz Dieese

    Saiba mais