Notícias

< Volta para Notícias

Extinção de setor não afasta direito de membro da Cipa à estabilidade

29 de Julho de 2019 - Direitos Trabalhistas

A Radicifibras Indústria e Comércio Ltda., de São José dos Campos (SP), foi condenada pela Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho ao pagamento de indenização substitutiva a um monitor de fabricação que integrava a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) demitido após a extinção do setor em que trabalhava. Para a Turma, a dispensa foi irregular.

Estabilidade

Na ação trabalhista, o monitor disse que havia sido empossado na Cipa em novembro de 2013 para o mandato de um ano, mas foi dispensado em janeiro de 2014, quando detinha a estabilidade no emprego. Sustentou que, como membro da Cipa, representava os empregados de todos os setores da fábrica, e não apenas os daquele em que trabalhava, e que, ainda que a empresa tenha reduzido o quadro de pessoal, não houve extinção do estabelecimento.

Extinção

O juízo da 3ª Vara do Trabalho de São José dos Campos e o Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas/SP) julgaram improcedentes os pedidos de nulidade da dispensa e de reintegração no emprego. Segundo o TRT, a extinção de um setor equivaleria à extinção do estabelecimento, o que afastaria a hipótese de dispensa arbitrária.

Jurisprudência

O relator do recurso de revista do monitor, ministro Augusto César, assinalou que a garantia de emprego ao empregado eleito para cargo de direção da Cipa está prevista no artigo 10, inciso II, alínea “a”, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT). Na mesma linha, o artigo 165 da CLT proíbe a despedida arbitrária de titulares da representação dos empregados nas Cipas. Por outro lado, a Súmula 396 do TST orienta que a estabilidade não é uma vantagem pessoal, e, no caso de extinção do estabelecimento, não cabe a reintegração nem a indenização do período estabilitário.

No caso, entretanto, o relator ressaltou que, de acordo com a jurisprudência do TST, a extinção de apenas um setor não se enquadra no preconizado na Súmula 396 e, portanto, não afasta o direito à estabilidade. “Considerando que o estabelecimento não foi extinto e que o período de estabilidade se encerrou em dezembro de 2014, a indenização substitutiva é garantida ao empregado”, concluiu. A decisão foi unânime.


Fonte: TST

< Volta para Notícias

Notícias Relacionadas

  • 13/09/2019

    TST proíbe juiz de homologar acordo parcial entre empregado e patrão

    Saiba mais
  • 11/09/2019

    Demora na devolução de carteira de trabalho resulta em condenação de indústria

    Saiba mais
  • 05/09/2019

    Trabalhadora que teve plano de saúde cancelado durante afastamento por doença deve ser indenizada

    Saiba mais
  • 29/08/2019

    Bancário consegue integrar gratificação semestral no cálculo das horas extras

    Saiba mais
  • 27/08/2019

    Empregado que ajuizou ação antes da Reforma Trabalhista não pagará custas processuais

    Saiba mais
  • 13/08/2019

    TST suspende ações do MPT contra acordos que impõem negociado sobre legislado

    Saiba mais