Notícias

< Volta para Notícias

INSS: CGU identifica irregularidades em 44 mil benefícios

11 de Janeiro de 2018 - Geral

O Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) identificou irregularidades em 44,6 mil benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), entre aposentadorias, auxílios e pensões. Esses pagamentos consomem R$ 37 milhões do governo federal por mês e totalizam uma despesa de R$ 484 milhões ao ano.

 O acumulo de benefícios é proibido por diversas normas. A Lei 8.213, de 1991, por exemplo, veda o recebimento de duas aposentadorias ou de aposentadoria mais auxílio-doença. O Decreto 83.080, de 1979, impede a concessão de assistência ao trabalhador rural a um beneficiário que já esteja em outro regime da Previdência Social.

A CGU examinou 96 tipos de benefício na folha de pagamento de março de 2017. Dos 44,6 mil com problemas, 13 mil já estão em situação de decadência (são repassados há mais de 10 anos) e devem ser extintos. Os 31 mil restantes que ainda podem ser corrigidos, representam uma despesa anual de R$ 336 milhões.

As maiores irregularidades foram encontradas nos acúmulos indevidos de auxílio-acidente e aposentadoria (12,8 mil casos), auxílio-doença e auxílio-acidente (8,3 mil) e duas concessões de pensão por morte (7,1 mil). Além dessas, há ainda situações de pessoas recebendo duas aposentadorias, somando esse benefício com auxílio-doença ou recebendo duas assistências voltadas ao trabalhador rural.

Providências

O resultado da investigação da CGU foi enviado ao INSS com pedido de interrupção dos benefícios acumulados indevidamente e a devolução dos valores aos cofres públicos. A controladoria também recomendou a melhoria nos sistemas de gestão de informações nos quais são feitos os pagamentos para identificar problemas e evitar novas irregularidades.

A CGU deu prazo até 30 de janeiro para que o INSS apresente um plano de ação com as medidas a serem adotadas para solucionar as questões identificadas. A Agência Brasil procurou o instituto, mas não obteve retorno.

O relatório da investigação também foi enviado ao Ministério Público Federal, ao Tribunal de Contas da União e à Polícia Federal, que poderão adotar providências caso as irregularidades não sejam sanadas.

 


Fonte: UGT

< Volta para Notícias

Notícias Relacionadas

  • 13/09/2018

    Itaú deve manter taxa de juros diferenciada para bancário demitido

    Saiba mais
  • 06/09/2018

    FGV: indicadores do mercado de trabalho mostram piora em agosto

    Saiba mais
  • 06/09/2018

    Receita enviará carta a 22 mil contribuintes com suspeita de sonegação

    Saiba mais
  • 06/09/2018

    Quase 12 milhões ainda não sacaram cotas do PIS

    Saiba mais
  • 03/09/2018

    Ideb tem pequeno avanço no ensino médio, mas segue abaixo da meta

    Saiba mais
  • 03/09/2018

    INSS atrasa decisão sobre 720 mil benefícios e sofre ação na Justiça

    Saiba mais