Notícias

< Volta para Notícias

Centrais sindicais protestam contra Reforma Trabalhista com ato simbólico

13 de Novembro de 2017 - Reforma Trabalhista

Guilherme Almeida / CP

Diversas centrais sindicais, incluindo UGT, CUT-RS, CTB, CSB, Força Sindical, Intersindical, Adufrgs Sindical, Fessergs, Cpers e o Simpa, realizaram na tarde de sexta-feira um abraço simbólico ao Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4), na avenida Praia de Belas, em Porto Alegre, e depois seguiram em caminhada pela via em direção ao centro da Capital, quando um ato final marcou o Dia Nacional de Luta contra as Reformas Trabalhista e da Previdencia. Durante a marcha, as centrais sindicais convocaram nova greve geral e afirmaram que será maior que aquela realizada dia 28 de abril. Ainda não há data definida para a paralisação.

A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) e a Brigada Militar disseram que cerca de 3 mil pessoas participaram da caminhada. A marcha das centrais sindicais iniciou-se às 17h25min, quando o grupo saiu da sede do TRT4 e seguiu pela avenida Praia de Belas, em direção à Esquina Democrática. Em cerca de 50 minutos, os manifestantes percorreram a avenida, ingressaram na avenida Borges de Medeiros e chegaram à Esquina Democrática.

Segundo a coordenadora da Intersindical, Neiva Lazzarotto, mesmo que o protesto atrapalhe, de certa forma, o trânsito da cidade, é preciso continuar lutando. “Não vamos aceitar esta retirada de direitos”, destacou.

Em todos os dias 11 de cada mês, até as eleições de 2018, os deputados gaúchos que votaram a favor da Reforma Trabalhista serão lembrados em manifestações, atos e ações em cidades e locais diversos do Rio Grande do Sul. 

Fonte: Correio do Povo


< Volta para Notícias

Notícias Relacionadas

  • 10/01/2018

    TST: Pontos da lei trabalhista só valem em contrato novo

    Saiba mais
  • 27/12/2017

    No primeiro mês da 'reforma' trabalhista, país perde empregos formais

    Saiba mais
  • 07/12/2017

    Estácio de Sá demite 1,2 mil professores após reforma trabalhista

    Saiba mais
  • 29/11/2017

    Com regra de trabalho intermitente, empregado corre risco de ter de pagar para trabalhar

    Saiba mais
  • 27/11/2017

    Trabalhador intermitente que receber menos que o mínimo pagará alíquota de 8%

    Saiba mais
  • 27/11/2017

    Juiz não aplica reforma trabalhista e reverte demissão em massa

    Saiba mais